Menu

Como contribuir para o INSS como autônomo

Saiba como funciona a contribuição como Autônomo para a Previdência Social garantindo direito à Aposentadoria e Benefícios

Você autônomo está pensando em seu futuro? Boa parte da população pensa somente no agora, mas é fundamental pensar na aposentadoria, por mais que o cenário econômico pareça instável e a previdência sofra alterações ao longo dos anos.

Mas se você não está preocupado com o futuro, que tal com o presente? E se por algum motivo de saúde e/ou acidente não for possível trabalhar? Seja em um curto ou longo espaço de tempo, de onde virá o dinheiro para se manter?

Contribuir para o INSS, apesar das instabilidades e rumores, é uma garantia de que você será amparado hoje e futuramente.

E por este motivo hoje estaremos ensinando passo a passo como contribuir para o INSS como autônomo.

Passos principais para contribuir ao INSS como autônomo

Se você decidiu que irá começar a contribuir para o INSS, saiba que são 4 os passos principais. Entre eles estão:

  • A Inscrição no Programa de Integração Social (PIS)
  • A escolha do tipo de contribuição que pretende fazer
  • O preenchimento da GPS (Guia da Previdência Social), o famoso carnê
  • E o pagamento dos valores pré estabelecidos.

No começo pode parecer um passo a passo muito complicado, mas a etapa mais dificultosa é a inicial, depois o pagamento autônomo se torna muito simples, sendo só necessário fazer o pagamento do carnê e de tempos em tempos a verificação se os valores estão realmente sendo recolhidos e computadorizados na Previdência, através de uma agência do INSS ou no telefone 135.

Quem poderá fazer o pagamento do INSS como autônomo?

Todo aquele que trabalha por conta e presta serviços à pessoa física, pode realizar o pagamento da guia GPS. O cidadão será inscrito como contribuinte individual, abrangendo uma tabela específica para este tipo de contribuição.

Com relação aos valores, será necessário definir qual dos tipos melhor se enquadra em sua situação. Os tipos estão divididos entre:

  • Contribuinte Individual Plano Normal – Código 1007, com direito aos modelos de pensões do INSS e as aposentadorias por idade e por tempo de serviço. Esta opção recolhe 20% do valor referente ao salário mínimo, variando até o teto da previdência que é de R$ 5.645,80.
  • Contribuinte Individual Plano Simplificado – Código 1163, que dá o direito aos modelos atuais de pensões do INSS, porém só concede uma aposentadoria por idade, de no máximo um salário mínimo. A contribuição para esta opção é de 11% com relação ao mínimo.

O que é o INSS

O Instituto Nacional do Seguro Social é uma organização da Previdência Social, Governo Federal, que é a principal responsável pela manutenção, fiscalização, capitação, leis, direitos e deveres de tudo o que envolva os benefícios sociais aos trabalhadores do Brasil. Ela fica responsável por organizar os recursos contribuídos mensalmente pelos cidadãos trabalhadores, bem como a distribuição dos valores entre aposentados e pensionistas.

O recolhimento de INSS é obrigatório para trabalhadores que estejam com carteira assinada, descontado diretamente em folha pelo empregador. Os valores devem ser repassados ao governo, sendo uma garantia para o próprio trabalhador em caso de acidentes e doenças.

O INSS permite também o recolhimento por profissionais autônomos. Entre os benefícios pagos pela previdência atualmente estão:

  • Aposentadoria por invalidez
  • Aposentadoria por tempo de serviço
  • Seguro desemprego
  • Auxílio acidente
  • Aposentadoria por idade
  • Pensão por morte
  • Auxílio doença
  • Salário família (um benefício para trabalhadoras desempregadas)

O que é a guia GPS?

A Guia GPS, uma abreviação para Guia da Previdência Social, é um documento que permite a contribuição para o INSS. Nele deverão ser preenchidos os dados do contribuinte, que deverá se enquadrar nas exigências mínimas da lei para uma eventual aposentadoria, auxílio doença, pensão por morte e outros benefícios que a previdência concede para os trabalhadores nacionais.

O recolhimento da guia GPS poderá ser feito por:

  • Empregados (desconto em folha)
  • Contribuintes facultativos
  • Contribuinte individual
  • Empregados domésticos
  • Contribuinte especial

Para não ter dores de cabeça, é sempre preciso estar em dia com o pagamento da guia, bem como a sua emissão. É interessante a cada 3 ou 6 meses, realizar uma consulta através do 135 para verificar as situações das contribuições ou acessar o portal:

O cadastro é bem simples e você pode verificar os pagamentos de todos os últimos meses.

GUIA GPS em forma de carnê para contribuições autônomas

Já para aqueles que gostam de ter o comprovante em mãos, é necessário compra a guia de pagamento GPS em forma de carnê, vendido normalmente em bancas de jornal e também em papelarias pelo país.

Na guia será necessário preencher:

  • Nome ou razão social, telefone e endereço
  • O Código de pagamento, informando o tipo de contribuinte (o código que citamos acima)
  • A competência, mês e ano de contribuição
  • O número identificador (PIS/PASEP ou código de inscrição)
  • O valor da contribuição
  • E  valor total da contribuição

O restante das informações ou deve ser preenchido pelo INSS ou pelo banco na qual está realizando o pagamento. A guia poderá ser paga em um banco ou agência lotérica da Caixa Econômica Federal.

Leia também:

Contribuição como Facultativo do INSS para Aposentadoria

A contribuição ao INSS do facultativo de baixa renda

Como emitir a GPS – Guia da Previdência Social,?

Se você deseja fazer a contribuição como autônomo ao INSS, saiba que além do carnê físico, é possível fazer a emissão do mesmo através da internet:

Pagando a guia online

O pagamento da GPS poderá ser feito tanto em bancos físicos como através do Internet Banking de seu banco.

Pelo Banking é necessário realizar a cópia do código de barras da guia gerada segundo as instruções acima e então inseri-las na área de “Pagamentos” do banking. Antes de confirmar a operação, confira todos os dados de pagamento, bem como o código da guia.

Você poderá imprimir o código de barras da guia GPS e utilizar o leitor de códigos da área de pagamento de seu banking, através de um aparelho smartphone autorizado a realizar a transação. Em alguns monitores a câmera é capaz de captar a informação sem a necessidade de impressão, porém em outros fica praticamente impossível fazer esta ação.

Como contribuir para o INSS como autônomo
5 (100%) 1 vote

>>Quer se Aposentar? Clique aqui!>>

Compartilhe no Facebook

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *